• terça-feira , 25 setembro 2018

IPE Saúde tenta sair do vermelho aumentando receita e cortando gastos

Meta do novo presidente do instituto é incorporar entre 200 e 300 mil novos segurados, por meio de convênios com prefeituras e com entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil  

Nos cinco primeiros meses deste ano, o IPE Saúde acumulou um défcit de R$ 100 milhões. Em média, as despesas mensais chegam a R$ 190 milhões, para uma receita de R$ 170 milhões. Para reverter esse quadro, o novo presidente do instituto, o ex-secretário da Saúde João Gabbardo dos reis anunciou ontem um pacote de medidas que vão do aumento do número de segurados, para incremengar a receita, à mudança na forma como são feitos os pagamentos de medicamentos e insumos aos  hospitais.

A meta de Gabbardo é aumentar a base de segurados em 20% a 30%, com o ingresso de servidores de mais uma centena de prefeituras e de profissionais liberais ligados a entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil. Demanda antiga dos advogados, o convênio com o IPE Saúde foi autorizado recentemente pela Assembleia, mas o valor das contribuições ainda não está definido. A OAB abriu inscrições para que os advogados manifestem interesse no plano de saúde. Depois de conhecer o perfil dos candidatos (sexo, idade, número de dependentes) é que os técnicos farão o cálculo atuarial para definir o valor da contribuição.

Para tornar o plano mais atraente aos atuais e futuros segurados, Gabbardo planeja aumentar o valor das consultas e das diárias hospitalares. Em compensação, haverá mudança na forma como são pagos os medicamentos e outros insumos. Os hospitais cobram do IPE preços equivalentes aos das farmácias. A ideia de Gabbardo é fazer a compra dos medicamentos (incluindo os quimioterápicos) via Secretaria da Saúde, o que deverá reduzir os custos pela metade.

– Esse sistema de compras centralizadas já é usado pela Unimed e estimula o consumo racional. Como os hospitais deixarão de ganhar em cima de medicamentos, teremos condições de aumentar o valor das diárias.

Enquanto a Secretaria da Saúde gasta R$ 1,1 bilhão por ano com hospitais, para atender a população de todo o Estado que depende do Sistema Único de Saúde (SUS) o IPE consome R$ 2 bilhões com 1 milhão de segurados.

Fonte: ZH/Rosane de Oliveira
Foto: Leandro Osório

Relacionados